quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Tietê: mancha de poluição diminui 40 km em 8 anos


Início do conteúdo


Previsão do governo estadual é de que até 2020 não seja mais despejado esgoto puro no rio. Dia do Tietê será comemorado hoje

22 de setembro de 2010 | 0h 00
Luiz Guilherme Gerbelli - O Estado de S.Paulo
 
A mancha de poluição no Rio Tietê regrediu aproximadamente 40 quilômetros entre 2000 e 2008, período no qual foi realizada a segunda etapa de despoluição. Na primeira etapa, que compreendeu os anos de 1992 e 1998, a redução foi maior, de 120 km.

Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE
 
Na chegada a São Paulo, no extremo leste, já há ocupações próximo ao rio
 
O projeto de despoluição do Tietê terá quatro fases. A terceira já tem aporte de US$ 600 milhões (cerca de R$ 1 bilhão) do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). "Nós vamos dar ordem de serviço para parte do dinheiro em novembro", disse a secretária de Energia e Saneamento, Dilma Pena.

A terceira fase do programa de despoluição prevê uma ampliação dos índices de coleta e tratamento de esgoto e também uma melhoria da qualidade nos corpos d"água da Grande São Paulo. Ao todo, 4,5 milhões de pessoas serão beneficiadas. A duração total dessa nova fase do programa é de seis anos.

Hoje, no Dia do Tietê, artistas e ambientalistas farão instalações nas margens do rio para protestar contra a poluição e apontar possíveis usos das regiões próximas do curso d"água.

Área afetada. A extensão do Tietê é de 1,1 mil quilômetros. A secretaria não contabiliza qual é a mancha total de poluição, pois diz ser mais fácil contabilizar as partes que passaram a ficar limpas. A secretária não trabalha com um prazo para que o rio fique totalmente limpo, mas diz que se o despejo de esgoto puro no leito for interrompido até 2020 "será um grande avanço".

A Secretaria de Energia e Saneamento planeja recuperar no mínimo 50 metros de margem do Rio Tietê. "Em algumas áreas, esse espaço para a recuperação pode ser maior. Depende da possibilidade de desocupação", disse Dilma Pena.

Na avaliação do especialista em Recursos Hídricos e professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp) Antônio Camargo, a poluição do Tietê é resultado de um tratamento de esgoto "incipiente". "O grande problema da poluição do Tietê é que os esgotos não são muito tratados nas Regiões Metropolitana e de Piracicaba. Para a qualidade do rio melhorar, é preciso que essa situação mude", explica.

Segundo Camargo, a partir do momento em que o despejo de esgoto é interrompido, a água corrente tem a capacidade de se recuperar e retornar a um estágio mais limpo. "Todo ambiente de água corrente tem uma capacidade de se purificar", diz.

Se um dia o Rio Tietê for considerado limpo, Camargo prevê uma série de benefícios ecológicos e ambientais para a Grande São Paulo e, em especial, para a capital paulista. "Na região da Marginal do Tietê não vai existir mais aquele cheiro desagradável. O rio também vai poder ser explorado economicamente."

PROGRAMAÇÃO HOJE
Praia
Promovida pela ONG SOS Mata Atlântica, esta é segunda edição da Praia no Tietê que, como o nome diz, vai simular uma praia às margens do rio. Com guarda-sol, cadeiras e esteiras, a ideia é chamar a atenção para a importância das ações de despoluição do Tietê. Das 9h às 13h, perto da Ponte das Bandeiras.
Pescaria
O artista plástico e muralista Eduardo Kobra e artistas de seu estúdio vão realizar a Pescaria no Rio Tietê. Serão usadas varas e redes de pesca, além de quadros com cenas do rio e a pintura de um peixe em três dimensões. O objetivo é relembrar a época em que o Tietê era usado para natação e iatismo. Das 10h às 15h, na altura do km 9,5 da Marginal, entre as Pontes do Limão e Julio de Mesquita Filho, no sentido Castelo.

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100922/not_imp613286,0.php

Nenhum comentário:

Postar um comentário