terça-feira, 23 de novembro de 2010

Lula "inaugura" hoje plano de alcoolduto de R$ 5,7 bi

23/11/2010 - Folha de S.Paulo

A Petrobras anunciou ontem investimentos de R$ 5,7 bilhões na construção do alcoolduto que passará por Ribeirão Preto. O duto ligará Jataí (GO) ao porto de São Sebastião, no litoral norte de São Paulo, e passará também por Uberaba (MG), Paulínia e São José dos Campos.

Os dois consórcios concorrentes que tinham anunciado a construção de alcoodutos se uniram para formar uma nova empresa de sociedade anônima. Participam, além da Petrobras, a Camargo Côrrea, Coopersucar S.A., Cosan S.A., Odebrecht e Uniduto Logística S.A.

O anúncio foi feito ontem após a Petrobras aprovar o termo de compromisso de associação com as empresas. A primeira parte a ser executada será a ligação entre Ribeirão e Paulínia, no valor de R$ 800 milhões.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva estará hoje em Ribeirão para a inauguração simbólica da obra. Ele vai soldar a primeira parte do alcoolduto, que ficará no terminal de carga da Petrobras no Anel Viário norte.

A criação do alcoolduto vai impactar, principalmente, na diminuição dos custos do frete e dos caminhões em rodovias interestaduais. O transporte, segundo o presidente da empresa formada pela Petrobras, Alberto Guimarães, ficará restrito apenas ao trajeto entre as usinas e os terminais de carga.

Guimarães, no entanto, não deu garantias de que o preço do álcool sofrerá redução com a diminuição dos custos de transporte. A única certeza é de que o álcool produzido na região poderá ser comercializado aqui, sem precisar ir para Paulínia e depois retornar.

Segundo Guimarães, o projeto a ser executado é praticamente o mesmo desenhado pela Petrobras anteriormente, porém, com as inclusões da Uniduto e das empresas privadas.

A previsão é que o duto entre Ribeirão e Paulínia esteja concluído no primeiro trimestre de 2013. O alcoolduto terá capacidade de transportar 12 milhões de m3de álcool por ano. Ao todo, o duto terá 850 km e capacidade para 21 milhões de m3por ano.

O recurso sairá de financiamentos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e representa 17,22% do valor do maior projeto do governo Lula, o TAV (Trem de Alta Velocidade), que ligará Campinas a São Paulo e ao Rio.

O álcool depositado no duto seguirá por gravidade até os destinos. A construção do sistema poderá gerar 10 mil empregos.